Melhor que Nada - Ou pior que tudo

Menu Close

A busca por vida fora da Terra é uma decepção

Hoje eu descobri que Encélado é a melhor possibilidade de encontrarmos vida fora da Terra. Encélado é o sexto maior satélite de Saturno – aquele planeta do Sistema Solar que usa bijuterias -, possui 800.000 quilômetros de superfície, conta com 0,0045 de excentricidade (que, imagino, é medida pedindo para a pessoa/corpo celeste elencar os discos do Radiohead do melhor para o pior) e gosta de ler romances policiais. Além disso, fica só a dois planetas de distância, o que em termos de universo é o equivalente a “em cima da escrivaninha”. Pois é: cientistas não só descobriram a melhor possibilidade de encontrar vida fora da Terra como ela fica em cima da escrivaninha.

Leia Mais

Trailer da Liga da Justiça DEBULHADO

Há duas semanas, a Warner Bros lançou o trailer do esperado, aguardado, antecipado, desejado, almejado e ansiado filme da Liga da Justiça, que estreia ainda em 2017. Passei esse tempo todo debruçado sobre o vídeo, catando as referências e pistas ocultas que o diretor Zack Snyder escondeu nesses dois minutos e trinta e dois segundos, e entrego aqui para vocês o relatório DEFINITIVO sobre o trailer (recomendo assistir primeiro):

Leia Mais

Foi a Agatha Christie na sala de estar com o detetive belga

Depois de alguns anos longe da Agatha Christie, reli esses dias Assassinato no Campo de Golfe. E puxa, tinha esquecido o quanto eu gostava desse tipo de história. Casas que possuem duas, três ou doze salas de estar, costumes que sobrepujam qualquer necessidade imediata, segredos de família, passados escondidos, Hastings sendo o bastião da moral e Poirot farejando uma trilha invisível que não faz absolutamente nenhum sentido até fazer sentido. Os olhos chegam a tremer diante de tamanho banquete.

Leia Mais

Fazendo pela metade

Tem uma persiana aqui em casa que decidiu subir apenas até a metade da janela. Ela já trabalhava meio expediente, pois à tarde mosquitos oportunistas se aglomeram do lado de fora procurando uma brecha para entrar, então talvez trabalhar meia janela não seja exatamente uma surpresa. É inconveniente, entretanto: as circunstâncias me obrigam a subir a dita-cuja com cuidado, pois se passar da metade ela não desce nem sob decreto do rei. Ou seja, os primeiros momentos do dia já são recheados de tensão. Além disso, a persiana está ligeiramente inclinada, fazendo com que a parte de baixo dela seja perpendicular à linha reta imaginária que determina o limite da subida. Basicamente, eu, que sou de humanas, preciso resolver um triângulo retângulo antes de sair de casa. Leia Mais

A linearidade do tempo é uma merda

É uma merda porque, vamos admitir, a nossa percepção do tempo é um cavalo louco dando coice para onde estiver apontando. Podemos estar preocupados com a próxima partida do Grêmio na Libertadores e, subitamente, sermos acometidos pela lembrança do inexplicável golaço de voleio do Clóvis contra o Corinthians em 1998, um evento tão assombroso que testemunhar ele é o equivalente a sair do trabalho e dar de cara com a aurora boreal. Tudo que fica para trás não fica para trás. O passado não aconteceu, ele pode voltar a acontecer.

Leia Mais

O verão dos adultos

O verão está chegando ao fim. Os dois grandes elementos que anunciam a fechada de portas da estação, no caso o carnaval e o fim do horário de verão (talvez a única unanimidade no Brasil), já bateram o ponto e tudo que resta agora é ficar suando até que as temperaturas acima de trinta graus migrem para o hemisfério norte (inclusive, se você prestar atenção, já consegue ouvir o Lamento dos Praianos Urbanos pelas redes sociais).

Leia Mais

Sobrevivendo à cura

Imagino que a vacina da febre amarela tenha sido inventada na Suíça, pois ela funcionou como um relógio: exatos cinco dias após a interação entre agulha e pele, que de acordo com a world wide BULA é o intervalo de tempo calculado para o início dos efeitos colaterais (se houver), desconfiei de uma ressaca que se prolongava demais e tinha dores musculares demais e febre demais até que o diagnóstico de ressaca não mais se aplicava. Era o início de quatro dias de feedback que o organismo forneceu a respeito da injeção.

Leia Mais

Edição Frenética #4

Pergunte-me Tudo

pergunte me tudo

É uma daquelas comédias dramáticas que acabam não sendo nem comédia nem drama, até trazendo em cena assuntos cômicos e dramáticos interessantes, mas sem conseguir evoluir os tópicos para torná-los genuinamente engraçados ou dramáticos, o que não deixa de ser engraçado (ou dramático). nota 3 Leia Mais

Carta aberta a 2017

Como você está se sentindo, 2017? Sei que pode parecer fácil assumir o cargo quando o predecessor foi alvo de tantos impropérios, mas as pessoas esquecem que há uma expectativa enorme de recuperação e uma bigorna de esperança em cima do novo contratado, como se a necessidade de melhorias automaticamente provocasse as melhorias – e, para provar que tal afirmação é uma falácia, tudo que precisamos é lembrar do galinheiro futebolístico implementado pelo Dunga na sequência dos 7 a 1.

Leia Mais

O dia seguinte

Acordei com a garganta asfaltada. Não sei se é o termo científico correto, mas é aquela sensação onde o simples ato de engolir saliva é semelhante a raspar o joelho no asfalto. Levantei da cama e pendi ligeiramente e temporariamente para a esquerda, a lombar anunciando em alto e bom som que tenho trinta e três anos. Vesti uma bermuda e uma camiseta. Até hoje não sei exatamente quais. Uma epifania nas funções cognitivas me fez perceber que estava quase na hora do expediente começar, e eu sequer havia vestido uma bermuda e uma camiseta para ir trabalhar (ou não?).

Leia Mais

© 2017 Melhor que Nada. All rights reserved.

Theme by Anders Norén.